Adriano Antonio Pereira
A poesia pode até ser esquecida, mas jamais abandonada!
CapaCapa TextosTextos FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


Cego
imagem: strecosa / Pixabay


As luzes da casa se apagam
e minhas mãos tateiam
as paredes na escuridão.

Espanto
de quem não está acostumado
com tal sensação
veemente fatal.

Dá para saber da condição
de quem não vê o mundo
como eu, você e mais um
monte de mal agradecidos

que fixam os olhos abertos
neste poema nu
e cru.
Adriano Antonio Pereira
Enviado por Adriano Antonio Pereira em 15/05/2018
Alterado em 17/05/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários